Líder hindu quer que Inbev mude nome da Brahma

Rajan Zed, presidente da Sociedade Universal do Hinduísmo, quer que a Inbev mude o nome da cerveja Brahma porque, para ele, trata-se de um desrespeito a uma divindade de sua religião.

O religioso mora na cidade de Reno, no Estado de Nevada, Estados Unidos. Imigrante indiano, ele possui a cidadania americana.

Zed afirmou que Lord Brahma faz parte da tríade das divindades hindus, juntamente com Lord Vishnu e Lord Shiva.

Ofensa a um deus hindu

Por isso, disse, é  “inadequado” e “desrespeitoso” colocar o nome “Brahma” em uma bebida alcoólica.

“Brahma é muito reverenciado no hinduísmo, é adorado em templos ou em santuários domésticos e não pode ser usado pela ganância comercial na venda de cerveja”, diz release que Zed enviou para este site.

“Brahma” é um das marcas de cervejas da Anheuser-Busch InBev, que é uma empresa multinacional que nasceu da fusão entre a brasileira Ambev e a belga Interbrew.


A tradicional cerveja brasileira foi criada em 1888 pelo imigrante suíço Joseph Villager.

Ele deu o nome a sua cervejaria de Braumeister, que significa em alemão “mestre cervejeiro”.

Vem daí o nome “Brahma”.

O que houve foi a formação da uma sigla, com o começo de uma palavra (Bra) e um pedaço de outra (meister), que em português soa como “maister”.

Deu "Brahma", com o acréscimo do “h”— se isso foi intencional, não se sabe.

Quem achar que o nome da cerveja é "desrespeitoso", que não a consuma. 

O que Rajan Zed precisa entender é que, no Brasil, quando se fala "Brahama", ninguém associa o nome ao deus dele, mas à cerveja.

De qualquer forma, os nomes de deuses pertencem aos idiomas, e não às religiões, e ninguém é obrigado se comportar de acordo com uma crença que não segue.

Com informação de Rajan Zed e de outras fontes.




Sacerdote hindu protesta contra uso de deuses em cervejas