Fator emocional faz religioso se apegar à contradição, diz estudo


Os religiosos se apegam à sua crença mesmo quando isso exige aceitar contradições porque lhes faz bem achar que estão do lado bom da moral.

A conclusão é de um estudo de pesquisadores da Case Western Reserve University, em Ohio (EUA), com base em 900 entrevistas, de religiosos (cristãos, hindus, budistas, judeus, muçulmanos, entre outros) e ateus.

Pelo estudo, os religiosos se apoiam na emoção para recusar evidências, de modo a não danificar a sua bússola moral.


"A ressonância emocional ajuda os religiosos a se sentirem mais certo”, disse Anthony Jack, professor de filosofia e coautor do estudo.

Ele disse que o “senso ardente de moral” pode ter sérias consequências.

"Os terroristas se colocam em um elevado patamar moral, porque acreditam que estão corrigindo erros e protegendo algo sagrado.”

O estudo apurou, também, que os ateus militantes estão sempre com o seu pensamento analítico “ligado” em relação às religiões, as quais, portanto, não alcançam sua emoção.

Concluiu que as pessoas com o raciocínio analítico mais agudo, mesmo as que seguem uma religião, são menos firmes quanto às crenças.

Os pesquisadores indicaram que suas conclusões se aplicam a outros temas que dividem fortemente as opiniões, como a política, vegetarianismo e mudanças climáticas.

Análise versus emoção

Com informação do Journal of Religion and Health.




Estudioso diz por que ateus são mais inteligentes que religiosos

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.