Pela primeira vez fui a um casamento sem Deus



Participei do primeiro casamento humanista de minha vida no dia 17 de junho de 2017, sábado à noite.

Fiquei emocionado porque, para mim, foi uma ocasião especial.

Fui o pai da noiva, no caso a minha filha número dois, a ML2 — tenho quatro filhas.

ML é católica e tinha alguma reserva em relação à minha descrença, até o dia em que ela, suponho, começou a namorar um moço ateu, o GM.

De certa forma, GM me conheceu antes de ML. Ele lê meu site há anos.

Desde o início os dois se entendem bem.

GM se casaria na igreja, se esse fosse o desejo de minha filha.

Mas eles concluíram que não seria verdadeiro, além de constrangedor para GM.

O casamento então foi firmado diante somente de uma juíza de paz e uma escrivã.

Após a juíza ter declarado que “perante a lei eu os declaro marido e mulher", minha filha B., a número três, leu a poesia “Para viver um grande amor”, de Carlos Drummond de Andrade.

A cerimônia terminou com convidados enlaçando as mãos dos noivos com fitas coloridas, representando, cada cor, um desejo, dito em voz alta, como “amor", "prosperidade”, “racionalidade", "paciência", "tolerância", etc.

Não houve citação de nenhuma divindade.

Espero que ML e GM sejam felizes, e isso só vai depender deles, de mais ninguém, nem de alguém real ou imaginário.

ML e GM
Com foto de arquivo pessoal.

Envio de correção



Notas de um ateu: o dia em que comecei a desacreditar em Deus