Nos EUA, funerária se recusa a cremar corpo de homossexual



A Picayune Funeral Home, de Mississippi (EUA), se recusou a cremar o corpo de Robert Huskey (na foto abaixo, sentado) porque não “lida com o tipo dele”.

Huskey, que morreu aos 86 anos em uma casa de idosos, era casado com Jack Zawadski (na foto abaixo, de pé), 82.

A morte ocorreu em maio de 2016, e a discriminação obteve agora visibilidade na imprensa porque o viúvo e John Gaspari (vídeo abaixo), sobrinho de Huskey, estão processando a funerária cristã, com o apoio de um grupo LGBT.

Zawadski disse ter ficado abalado.

“Bob era minha vida, e eu simplesmente não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo em um momento de dor e de perda pessoal.”

Gaspari teve de providenciar a cremação do corpo em uma funerária a 90 km da cidade de Picayune, onde o casal morava.

A funerária nega que tenha sido discriminatória, o que é uma pena, porque, se assim não fosse, ela poderia explicar a diferença das cinzas de uma heterossexual em relação às de um gay.

Casal morava em um lar de idosos


Com informação do New York Post e de outras fontes e foto de arquivo pessoal.

Envio de correção



Hospital católico nega abreviar dor de paciente terminal