Governo tira pastor da presidência da Fundação do Índio



Costa foi demitido por incompetência

O Governo Temer tirou o pastor Antonio Fernandes Toninho Costa (foto) da presidência da Funai (Fundação Nacional do Índio) por considerá-lo incompetente para o cargo.

A exoneração ocorreu cinco dias após um massacre no Maranhão com 13 feridos, incluindo índios.

Costa demorou em mandar uma equipe à região.

Ele vinha se queixando da falta de recursos para comandar a fundação.

Costa é pastor da Primeira Igreja Batista no Guará, em Luziânia, em Goiânia.

Ele foi indicado para a Funai pelo PSC (Partido Social Cristão), dentro da cota de cargos que o partido tem no Governo.

Diferentemente de outras pessoas que passaram pela presidência da Funai, Costa vinha dizendo que não se opunha à pregação cristã aos índios.

Ele minimizava, por exemplo, denúncias de que pastores estão estigmatizando xamãs como veneradores do diabo.

Com informação da Agência Brasil e foto de Maria Vilela/Funai.

Envio de correção



Índios serão indenizados por não poder incomodar espíritos

Postar um comentário