Jornalista lembra que gastou apenas R$ 418 para ter uma igreja




O jornalista Hélio Schwartsman lembrou em seu espaço na Folha de S.Paulo que em 2009, para escrever uma reportagem, abriu uma igreja gastando apenas R$ 418 e em cinco dias úteis não consecutivos.

Escreveu que fundou a Igreja Heliocêntrica do Sagrado EvangÉlio com a apresentação de “estatutos que traziam um amontoado de delírios entremeados de elucubrações teológicas sem sentido”.

“Como não contrariavam nenhuma disposição do Código Civil, pudemos registrar a nova fé em cartório, tirar um CNPJ de organização religiosa e, com ele, abrir uma conta bancária na qual fizemos aplicações financeiras isentas de imposto.”

Schwartsman mencionou a sua igreja (que já foi fechada) ao comentar a proposta de iniciativa popular para o fim da imunidade tributária das igrejas que se encontra em tramitação no Senado.

Para ele, a existência da imunidade fez sentido na época em que governos criavam impostos para onerar as minorias religiosas.

Mas hoje a situação é diferente: “Pela atual carta não seria possível taxar uma igreja e deixar outra isenta”.

Ainda assim, escreveu, é quase certo que a proposta popular não vai dar em nada.

Arrecadação de dízimo virou negócio

Com informação da Folha de S.Paulo.

Envio de correção.



Imunidade tributária às igrejas nos torna dizimistas involutários