Seguranças da Universal são suspeitos de matar um homem


Crime teria ocorrido
no Templo da Fé  

O Departamento de Homicídios da Polícia Civil de São Paulo está investigando as acusações de que seguranças da Igreja Universal do Reino de Deus mataram a chutes o desempregado Ronaldo Bispo dos Santos, 48.

O homem morreu no final de 2016, quatro dias depois da agressão.

Parentes de Santos disseram à polícia que ele contou ter sido agredido depois de um culto por três seguranças no estacionamento do Templo da Fé de Santo Amaro, por ter pedido para usar o banheiro.

O caso só está sendo noticiada agora porque estava sob segredo de Justiça.

Até ontem, a polícia tinha ouvido 13 pessoas, incluindo familiares da vítima, sem conseguir identificar um único suspeito.

A gravação de imagens do interior do megatemplo poderia ajudar na identificação, mas a Universal informou à polícia que no dia do ataque a Santos o sistema de câmeras estava em manutenção.

A Igreja declarou à Folha de S.Paulo que está colaborando com as investigações, embora, no entendimento dela, Santos foi agredido fora do templo.

Santos, que é católico, tinha ido ao templo buscar sua mulher, Maria do Carmo Conceição, 46, que é fiel da Universal, mas houve um desencontro.

Antes de pegar o ônibus de volta, Santos pediu aos seguranças para usar o banheiro e foi quando ocorreram as pancadas, segundo a aposentada Rosely de Pádua dos Santos, 68, sua mãe.

“Ele me disse que levou muitos chutes”, disse ela. “Chutaram muito a cabeça dele.”

Santos contou à mãe que pediu socorro a dois pastores, mas eles nada fizeram.

Com informações de Rogério Pagan e Rafael Italiani.

Envio de correção.


Pastor da Universal espanca cachorrinha, mostra vídeo