‘Fogueirinha’ que matou fiel foi ordem de Deus, afirma pastor


Vilma chegou a ser internada,
 mas não resistiu à queimadura

Ao ser preso pela Polícia Nacional da Nicarágua, o pastor Juan Gregório Rocha, 24, da Assembleia de Deus, disse que colocou uma mulher na fogueira por ordem divina.

“Deus disse que ia tirar aquele espírito maligno dela e mandou acendermos uma fogueirinha para expulsar o demônio.”

Vilma Trujillo García (foto), 25, mãe de duas filhas, morreu em um hospital de Manágua com queimadura em 85% do seu corpo.

A polícia prendeu Rocha e outros quatro religiosos no dia 28 de fevereiro de 2017, na comunidade El Cortezal, na cidade de Rosita. Entre eles, há duas mulheres.

Todos são acusados de homicídio.

O pastor nega ter matado Vilma porque, nas palavras dele, “quando o Espírito Santo saiu do corpo dela, ela caiu na fogueira”.

Contudo, de acordo com testemunhas, os religiosos despiram Vilma, amarram suas mãos e a jogaram no fogo, para expulsar o demônio.

Em seguida, a mulher foi atirada em um barranco.

O marido de Vilma — Reynaldo Peralta, que tinha ido a outra comunidade, onde mora sua mãe — disse que sua mulher procurou os pastores da Assembleia de Deus para ser curado de uns desmaios que vinha sentindo ultimamente.

O crime deixou os nicaraguenses estarrecidos.

A escritora Gioconda Belli, por exemplo, afirmou que esse assassinato não pode ficar impune, porque uma mulher foi “queimada como nos piores tempos da Inquisição e da caça às bruxas”.

Com informação e foto de sites da Nicarágua. 



Memorial lembra vítimas da Santa Inquisição na Noruega