Assembleia de Deus lançará partido 'pro-família tradicional'


Consolida-se a contaminação
 da política pela religião
A Assembleia de Deus já colheu 300 mil assinaturas para lançar o PRC (Partido Republicano Cristão), que terá candidatos já nas eleições de 2018.

Faltam 186 mil assinaturas para que o partido possa ser registrado, o que ocorrerá nas próximas semanas, considerando que a Assembleia de Deus é a maior igreja evangélica do Brasil.

Dos 42 de evangélicos apurados pelo Censo 2010, 30% seguem a Assembleia de Deus.

O objetivo do partido é defender a “família tradicional”, de acordo com o deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), articulador do PRC e seu presidente provisório.

Ou seja, a agenda do partido será a mesma da AD, embora o Brasil seja laico, ao menos em tese.

Assim, o PRC vai combater a luta dos homossexuais pela igualdade, o direito que a mulher deveria ter assegurado em decidir sobre o aborto e outros itens do moralismo evangélico.

O lançamento do PRC reforça a contaminação da política pela religião.

Isso ocorre em um momento em que os partidos tradicionais não sabem de onde virá o dinheiro para financiar suas campanhas eleitorais, já que as empresas não mais poderão fazê-lo, nem pelo caixa 2, porque a operação Lava Jato fechou o cerco sobre corruptos e corruptores.

Já os partidos da religião, como o PRB (da Igreja Universal), PSC e agora PRC, poderão contar com o dízimo dos fiéis, embora, a rigor, isso também seja ilegal.

Com informação da Folha de S.Paulo.

Envio de correção.

Verdades absolutas da religião são incompatíveis com a política


Postar um comentário