Endividado, Amapá concede isenção de imposto às igrejas



O governador Waldez Góes (PDT), do Amapá, cortou investimentos para poder pagar dívida, mas aprovou uma lei que reduz a receita do Estado, para beneficiar líderes religiosos.

Góes cortou
investimentos
do Estado
Góes (foto) sancionou lei que concede isenção de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nas contas de água, luz, telefone e gás dos templos religiosos.

Ele não divulgou o valor de quanto o Estado deixará de arrecadar com a medida.

A Assembleia Legislativa do Amapá aprovou em dezembro de 2016 essa lei, que foi proposta pelo deputado Pastor Oliveira (PRB), da Igreja Universal.

O pastor Sebastião Souza, também da Universal, disse que as igrejas, com menos encargos de impostos, terão mais recursos para obras sociais.

Se é assim, o governo do Amapá deveria pedir às igrejas que apresentem prestação de contas, para saber o destino do dinheiro que deixará de ser arrecadado.

Com informação do Diário do Amapá.

Envio de correção.



Aumenta uso das igrejas para lavagem de dinheiro, diz juiz