Bispo recebeu propina para apoiar Dilma-Temer, diz delator



Um delator da Odebrecht disse à força tarefa da Operação Lava Jato que, em 2014, o bispo Marcos Pereira (foto), dirigente do PRB, recebeu R$ 7 milhões da empreiteira em troca do apoio de seu partido à chapa Dilma-Temer, nas eleições presidenciais.

Pereira é da Igreja Universal, cujo braço político é o PRB.

No governo Temer, ele é ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Desde a época da Dilma a Universal tem um ministério.

O apoio do PRB deu à chapa do PT e PMDB mais tempo de propaganda na TV.

O bispo negou que tenha recebido propina.

Pereira teria recebido R$ 7 mi da Odebrecht 

O que ele admite é que pediu à empreiteira uma “doação” para a campanha de Marcelo Crivella, também pastor da Universal, à prefeitura do Rio de Janeiro.

Pereira se defendeu dizendo que “delação não é prova.”

As investigações prosseguem.

Com informação das agências.


Envio de correção.

Grupo de discussão no WhatsApp.


STF manda para Moro o caso do pastor 'laranja' de Cunha