Abrigo usava crianças como empregadas de evangélicos



A Justiça de Goiás cassou o registro da ACBT (Associação Crianças do Brasil em Trindade) por causa de várias irregularidades, entre as quais o uso de crianças como empregadas domésticas em casa de evangélicos.

Crianças também
sofriam maul-trato
físico e mental
O responsável pela entidade filantrópica era o pastor Luciano Pereira, que, pela associação, terá de pagar R$ 100 mil em indenização por dano moral coletivo.

Trindade é a oitava cidade mais populosa de Goiás, com 120 mil habitantes. Fica a 16 km de Goiânia.

A entidade também foi condenada por castigar as crianças física e mentalmente.

Em 2014, um membro do conselho tutelar, em uma inspeção de rotina, verificou que uma criança estava com hematomas no braço.

Ele fez uma investigação e descobriu que as crianças do abrigo apanhavam com frequência.

Elas não podiam manifestar interesse por outras religiões, só a evangélica, do pastor Pereira.

O Ministério Público, então, foi acionado.

Esse órgão também deveria entrar com uma ação contra os evangélicos que exploraram o trabalho infantil.

Com informação do G1 e de outras fontes.

Envio de correção.

Grupo de discussão no WhatsApp.


Robinho e Neymar se negam a ver crianças de lar espírita