Magia negra islâmica no Rio pede decepamento de mão



Quem passou no dia 8 de janeiro de 2017 pela Quinta da Boa Vista, um parque próximo ao Maracanã, no Rio, viu alguns bilhetes [foto] com uma estranha escrita, mas somente aqueles que leem em árabe souberam do que se tratava.

Os bilhetes eram de magia negra islâmica. Ou de uma superstição dentro de outra superstição, a religião.

Os escritos continham orações a Iblis (o Lúcifer do Islã) para que cortasse a mão de uma pessoa.

Rogar por castigo para punir inimigos é comum na religião islâmica, e essa é uma diferença em relação ao cristianismo, cujos devotos não pedem nada ao diabo.

O próprio Maomé desejou que judeus, cristãos e os árabes de Meca que o rejeitavam como profeta fossem atingidos por maldições.

O Corão dá justificativa para esse tipo de delírio.

Supõe-se que os brasileiros não tenham medo de magia negra islâmica porque já estão acostumados com as desacreditadas pragas de seitas de afrodescendentes.

Assustador mesmo é que mais de um bilhão de pessoas acreditam que o Corão contém a palavra de um deus maluco e perverso.

Bilhetes ao demônio Iblis

Com informação e foto do site Lei Islâmica em Ação.

Envio de correção.

Grupo de discussão no WhatsApp.


Onze curiosidades sobre o mais cruel inferno, o muçulmano