45% dos pentecostais apoiam candidatura de religiosos


Do total dos pentecostais (os evangélicos mais conservadores), 45% apoiam a candidatura de líderes religiosos a cargos políticos.

Evangélicos
querem religiosos
metidos na política
Foi o que apurou pesquisa Datafolha feita nos dias 6 e 7 de dezembro de 2016.

Em relação à pesquisa anterior, realizada nos dias 6 e 7 de junho de 2013, houve avanço de dois pontos percentuais [ver gráfico abaixo].

A taxa de evangélicos não pentecostais que querem pastores metidos em política também é elevada: 43%. Houve aumento de três pontos percentuais.

Em contrapartida, caiu o número de evangélicos que não apoia a candidatura de religiosos. Em igual período, houve queda de 52% para 49%, no caso dos pentecostais, e de 56% para 50% em relação aos demais evangélicos.

Entre os católicos, registrou-se uma leve tendência pela mistura da religião com a política.

No período citado, 26% do total de católicos entrevistados pelo Instituto Datafolha apoiam a candidatura política de religiosos, com aumento de um ponto percentual.

Os espíritas se destacam com 77% deles contrários a esse tipo de candidatura. com o expressivo aumento de dez pontos percentuais. Eles também têm o maior índice de escolaridade e a renda mais robusta.

O crescimento dos percentuais relativos aos evangélicos em prol da mistura de religião com política explica por que as bancadas dos "crentes" em todas as instâncias do Legislativo têm se fortalecido a cada eleição.

Entre outras coisas, isso significa uma grave ameaça ao Estado laico brasileiro, tendo em conta os políticos evangélicos geralmente só agem em prol de sua turma, e não para toda a comunidade.

Percentuais mostram que Estado laico corre perigo
Com informação do Datafolha.

Envio de correção.
Grupo de discussão no WhatsApp.


Congresso não pode ter bancada religiosa, diz procuradora