Zuckerberg diz de forma enigmática que não é ateu


Post em que Zuckergerg negou sua descrença
No dia 25 de dezembro de 2016, Mark Zuckergerg postou um “feliz Natal” e “feliz Hanukkah” (festa judaica conhecida como Festival de Luzes) em seu perfil no Facebook, do qual é o fundador.

José Antonio — provavelmente brasileiro ou português, pelo nome — estranhou e lhe perguntou “mas você não é ateu?”

Resposta foi “não”, com o acréscimo enigmático do seguinte: “Fui criado como judeu e, em seguida, passei por um período em que me questionei sobre coisas, mas agora acredito que a religião é muito importante”.

Ele foi enigmático porque, em vez de reconhecer a importância de Deus, como faria qualquer crente, Zuckergerg o fez em relação à religião, um ponto de vista adotado por muitos ateus.

Por mais de dez anos, Zuckergerg constou em listas de ateus famosos, e ele nunca reclamou. Até porque em seu perfil no Facebook se apresentava como tal, e agora não mais, desde de março de 2011.

Em 2007, o Wall Street Journal fez alusão ao ateísmo do fundador do Facebook, sem houvesse contestação.

Fica a dúvida: Zuckergerg se converteu ao judaísmo ou ao cristianismo ou o que escreveu no dia de Natal foi apenas para ser simpático com os frequentadores de sua rede, os quais na grande maioria são crentes?

Com informação do Facebook.

Envio de correção.

Grupo de discussão no WhatsApp.


O 'sem Deus' Zuckerberg doa US$ 500 milhões à educação