Natal é a celebração de uma grande mentira cristã

O que se comemora na verdade é o deus Sol
por Irineu Lobo
para Paulopes

O dia 25 de dezembro nada tem a ver com o nascimento de Jesus. Cristãos romanos aproveitaram uma importante festa pagã que ocorria nessa época do ano e a cristianizaram.

A festa pagã natalis solis invicti ("nascimento do sol invencível") era uma homenagem ao deus persa Mitra, popular em Roma. As comemorações ocorriam durante o solstício de inverno, o dia mais curto do ano.

O solstício não tem data fixa. No hemisfério Norte, ele acontece próximo de 22 de dezembro e pode cair até no dia 25.

Em 274 depois de Cristo, o imperador romano Aureliano oficializou o dia 25 de dezembro como data de festejar o sol.

Vem daí, em referência ao fogo do sol, a tradição do "tronco natalício", que nas casas deveria queimar durante 12 dias consecutivos e deveria ser preferivelmente de carvalho.

Dependendo do modo como o tronco se queimava, os romanos faziam presságios. O fogo do tronco natalício deu origem às luzes e velas que hoje enfeitam casas, árvores e ruas.

E qual seria a verdadeira data do nascimento de Jesus? Ninguém sabe, nem sequer a Bíblia.

Os Evangelhos, que surgiram três, quatro séculos depois da morte de Jesus, não fazem nenhuma referência ao dia, mês, nem ao ano em que ele teria nascido.

O evangelista Lucas afirma que Jesus nasceu na época de um grande recenseamento, que obrigava as pessoas a saírem do campo e irem às cidades. Só que, em dezembro, os invernos na região de Israel são rigorosos, o que impedia grande deslocamento de pessoas.

O mais provável é que o nascimento de Jesus tenha ocorrido entre março e novembro, quando o clima no Oriente Médio é ameno.

A primeira comemoração do dia do nascimento de Jesus ocorreu em 354, inicialmente coincidindo com a festa pagã e, depois, substituindo-a.

Essa data se fixou depois de muitas controvérsias entre os cristãos. Em diferentes épocas, cada ramo do cristianismo tinha o seu dia do nascimento de Jesus: 6 de janeiro, 25 de março, 10 de abril, 29 de maio, entre outras.

A Igreja do Oriente se decidiu pelo dia 6 de janeiro, que era, para os gregos, o dia da Epifania (aparição) do deus Dionísio. A Igreja do Ocidente optou por 25 de dezembro, quando se comemorava  os deuses Sol e Saturno.

A população da Roma Antiga festejava as Saturnálias porque Saturno era o deus da agricultura. Era um período de paz e de recolhimento quando as pessoas trocavam presentes, e amigos e familiares se reuniam em banquetes.

Os celtas, também de forte presença na Europa, festejavam o solstício de inverno.

Os doutores da Igreja perceberam que os cristãos manifestavam forte inclinação pelas festas pagãs e que seria difícil fazê-los desistir disso. Então a solução deles foi introduzir os cultos pagãos dentro da Igreja, dando-lhes nova roupagem.

Um desses doutores, Santo Agostinho (354-430), chegou a fazer campanha para que, na data, os cristãos não celebrassem o sol, mas sim "aquele que tinha criado o sol".

O Natal se tornou a festa religiosa mais importante em toda a Europa em torno de 1100. Sua popularidade cresceu até a Reforma Protestante (1517), quando muitos cristãos começaram a considerá-lo uma festa pagã.

Na Inglaterra e em algumas colônias americanas a festa foi considerada ilegal. Mas isso durou pouco tempo e o Natal acabou recuperando seu prestígio, o que perdura até hoje.

Com pesquisa em enciclopédias e na internet.

Semelhantes

Postagens mais visitadas deste blog