Livro sugere dez medidas para minar religião fundamentalista



As religiões fundamentalistas podem ser derrotadas com dez medidas fáceis, diz o americano Ryan Cragun, que escreveu o livro How to Defeat Religion in 10 Easy Steps: A Toolkit for Secular Activists, lançado em 2005. Trata-se, como diz o título em inglês, de um guia para militantes seculares.

Livro é guia
para ativistas
seculares
As medidas são:

1 — Defender e promover a educação secular.

2 — Defender as minorias étnicas.

3 — Lutar para que mais pessoas tenham segurança financeira.

4 — Defender a liberdade e a diversidade sexual

5 — Deixar de subsidiar os religiosos.

6 — Incentivar o capitalismo (com regulamentações de atividades).

7 — Dar apoio ao ensino de ciência e arte.

8 — Lutar para a secularização dos feriados religiosos.

9 — Incentivar o pensamento crítico e a investigação científica.

10 — Defender o ensino da ética humanista.

Cada item desses é um capítulo do livro, embora haja certa redundância entre alguns deles.

Ex-mórmon, Cragun diz que escreveu o livro porque as religiões fundamentalistas são perniciosas para a sociedade, diferentemente em relação às crenças liberais.

“As religiões liberais tendem a aceitar os valores modernos humanos e a ciência”, diz.

Esse tipo de crenças, afirma, é menos prejudicial à sociedade.

“Eu sou contra as religiões fundamentalistas porque elas aceitam literalmente as escrituras, além de rejeitarem as descobertas científicas que vão contra seus textos sagrados.”

Cragun é sociólogo da religião na Universidade de Tampa, na Flórida.

Ele observa que a segurança financeira é importante porque, quem não tem dificuldades para pagar suas contas, recorre menos à ajuda do sobrenatural. Cita o exemplo de países pobres onde, geralmente, prolifera a devoção a divindades.

O sociólogo defende a secularização (ou sincronização) dos feriados religiosos porque concluiu que não seria eficiente boicotá-los. Diz que o Natal é um bom exemplo de feriado secularizado.

Observa que se trata da mesma estratégia usada por religiosos, que se aproveitaram de datas comemorativas pagãs para realizar suas festas e rituais.

Diferentemente do que diz o título do livro, a implementação das medidas não é tarefa fácil, principalmente nos Estados Unidos, para cujos leitores o sociólogo escreveu.

Estima-se que, lá, os religiosos fundamentalistas correspondam a 30% da população. E agora, com  Trump na presidência, eles se sentem vigorados.

Em boa medida, o livro também se aplica ao Brasil, onde o conservadorismo religioso tem um projeto político de poder cada vez mais evidente.

Com informação das agências.

Envio de correção.

Grupo de discussão no WhatsApp.


Alcoólatra age como fanático religioso, dizem psicanalistas