segunda-feira, 9 de novembro de 2015

'Gentileza usava a Bíblia para seu fanatismo, como tantos hoje'

por Heloisa Seixas
para Folha de S.Paulo

Ele não suportava
ver mulheres de
calça cumprida
Quero falar de um homem muito conhecido e admirado, [José Datrino] morto em 1996. Frases produzidas ou inspiradas por ele estão em camisetas, cangas, pôsteres e até muros e pilastras do Rio, onde suas inscrições foram preservadas como um patrimônio. Seu nome evoca um sentimento embebido de beatitude: Gentileza.

A imagem que ficou dele é de um velhinho magro, de cabelos compridos como os de um apóstolo, dedicado a pregar o bem, o amor, o respeito ao próximo –altos preceitos bíblicos. Fazia isso pelas ruas, brandindo estandartes como se fossem as Tábuas da Lei e ele, o júri, juiz e carrasco de sua execução.

Sua frase mais famosa foi 'Gentileza gera gentileza'. Mas Gentileza nada tinha de gentil. Ao contrário: foi uma das pessoas mais assustadoras que eu e outras de suas vítimas conhecemos. Um assediador.

Eu tinha 18 anos e passava todos os dias pela praça Quinze para pegar a barca que me levava à faculdade em Niterói. E era ali que se dava o nosso drama. Gentileza nos avistava –a nós, mocinhas, geralmente de jeans ou minissaia– e surgia aos berros à nossa frente.

Não suportava ver mulheres de calça comprida ("Tira as calças do papai!", gritava, possesso) e de batom. Espumava: "São ofensas a Deus!". Nós corríamos, ele atrás. Nunca nos alcançou, mas, de tão agressivo, sabíamos que, se pudesse, nos daria uma surra ali, no meio da rua.

Era humilhante e constrangedor. Tínhamos-lhe horror, e aquele apelido, Gentileza, era uma ironia.

Não se entende como a 'história' o absolveu. Incrível que tenha ficado como um profeta, dedicado à 'palavra divina'. Na verdade, era um desequilibrado, que usava a Bíblia de escudo para seu fanatismo. Como tantos hoje por aí.





Fundamentalismo religioso é distúrbio mental, diz cientista
Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...