Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

TJs queimam tudo que recebem de espíritas, menos dinheiro

por Estudante da Bíblia
para Zion's Watch Tower

Testemunhas de
 Jeova incineram
'doações do diabo'
Todos que possuem um certo grau de experiência vivida com as Testemunhas de Jeová sabem de uma prática infeliz que algumas têm com relação a qualquer objeto ou presente que ganhem de pessoas espíritas ou de praticantes das religiões afro-brasileiras, dentre outras. O que ocorre é que muitas Testemunhas de Jeová mal informadas destruirão tais presentes, muito frequentemente lançando-os em meio ao fogo. Embora não admitam, devem saber que essa prática é claramente identificável como um tipo de superstição, que não é apenas preconceituosa, mas que, para determinados casos, carece de qualquer paralelo na Bíblia — de onde, ironicamente, afirmarão basear esta prática.

Suas publicações, costumam citar especialmente a passagem de Atos 19:19 como base para que queimem quaisquer "objetos espíritas" que por ventura tenham. O que ocorre é que diversas Testemunhas de Jeová confundem a expressão "objetos espíritas" com "objetos vindos de espíritas". Assim, incluem na queima não apenas livros, revistas e filmes diretamente ligados ao espiritismo, mas também chaveiros, enfeites, roupas, perfumes, brinquedos e qualquer outra coisa que recebam de uma pessoa que seja espírita!

Particularmente, só sei de duas coisas materiais que uma Testemunhas de Jeová ajuizada pode vez ou outra receber de pessoas espíritas mas que ela nunca irá destruir no fogo: uma delas é o próprio dinheiro (a propósito, bem conveniente!) e a outra algum animal de estimação. De resto, tudo que recebam destas pessoas é passível de ser destruído pelas chamas.

O caso dos cosméticos da Natura

A paranoia de algumas Testemunhas de Jeová com relação a este assunto é tamanha que aqui mesmo no Brasil viu-se o desenrolar de um caso bem embaraçoso. Surgiu-se, não se sabe como, um boato envolvendo a marca de perfumes e cosméticos da Natura que espalhou-se com grande velocidade pelas congregações das Testemunhas de Jeová por todo o país. As versões do boato diferem de região para região, mas basicamente a estória sustenta o que está descrito abaixo, conforme muito divulgado por Testemunhas de Jeová em redes sociais e correntes de e-mail:

"Uma irmã da cidade de Arapongas (PR) costumava usar produtos da Natura quando ela acabou sendo ''possuída''. O demônio dizia: SEUS IRMÃOS SÃO OS QUE MAIS USAM O PRODUTO. Os anciãos conseguiram com muita oração fazer que esse demônio fosse embora. A irmã deformava o rosto enquanto falava, e a voz que saia não era dela. Ela avisou todos os irmãos mais próximos e assim uma amiga minha duvidou, pegou o telefone da irmã e ligou, ela confirmou a historia. Eu não tinha produtos pois já ouvi muito a respeito, mas agora sim que não compro. As irmãs da minha congregação já se desfizeram desses cosméticos e a irmã que foi ''possuída'' também se desfez."

Parece difícil acreditar que alguém supostamente apto a "pregar de casa em casa" e a "raciocinar com base nas escrituras" caia nesses contos absurdos, mas entre as Testemunhas de Jeová essas lendas urbanas são comuns e com facilidade são passadas adiante.

Mesmo que não haja nenhuma prova, parece comum no meio religioso como um todo divulgar histórias que de alguma forma sustentem as suas convicções, o que neste caso em especial gerou muita confusão. Sim, por causa desse boato, várias Testemunhas de Jeová destruíram os seus cosméticos da Natura ou deixaram de revendê-los e passaram a perpetuá-lo aos quatro ventos, persuadindo ainda outras pelos motivos mais bizarros a nunca comprar os produtos desta marca. E esta superstição tem sido assim até hoje entre pelo menos algumas delas.

Este tipo de coisa ocorre, infelizmente, porque muitas Testemunhas de Jeová nutrem a mentalidade de que o produto do caso acima ou um mero presente de uma pessoa espírita vem acompanhado de algum tipo de demônio que sabe-se lá por qual razão, irá atormentar a pessoa até que ela resolva destruir tal objeto no fogo (como se um demônio dependesse de um objeto para querer atormentar alguém...). O que a Testemunha de Jeová que pensa assim tem de entender é: a Bíblia realmente justifica todas as práticas que muitas têm feito neste sentido? Ou seja, será que a Bíblia ensina a destruição de todo e qualquer objeto no fogo? Vejamos algumas das passagens que tratam deste assunto afim de se entender melhor:

O relato de Deuteronômio 7: 25-26

Na Tradução do Novo Mundo, esta passagem é vertida da seguinte forma: "Deves queimar em fogo as imagens entalhadas de seus deuses. Não deves desejar a prata e o ouro sobre elas, nem tampouco tomá-lo para ti, para que não sejas enlaçado por ele; pois é algo detestável para Jeová, teu Deus. E não deves introduzir algo detestável na tua casa e [assim] realmente tornar-te algo devotado à destruição, igual a ele. Deves ter completa repugnância dele e absolutamente detestá-lo, porque é algo devotado à destruição."

O que o texto acima nos mostra? Uma ordem divina que diz respeito a destruição dos objetos usados diretamente na adoração de outros deuses (neste caso, imagens ou estátuas dos próprios deuses). Por qual razão Jeová ordenou a destruição destas imagens no fogo? Ora, as Escrituras Hebraicas (Antigo Testamento) como um todo, sempre reforçam o quanto Jeová não tolera adoração a outros deuses. (Êxodo 20:5) O mandamento de destruí-las, portanto, tinha um único e claro objetivo: impedir que outras pessoas viessem a se curvar diante de tais imagens.

O relato de Atos 19:18-19

Esta outra passagem, também na Tradução do Novo Mundo, é vertida como: "E muitos dos que se tinham tornado crentes vinham e confessavam, e relatavam abertamente as suas práticas. Deveras, um número considerável dos que haviam praticado artes mágicas trouxeram os seus livros e os queimaram diante de todos. E calcularam os preços deles e acharam que valiam cinqüenta mil moedas de prata."

Esta passagem das Escrituras Gregas Cristãs (Novo Testamento) trata da atitude de alguns que abandonaram as chamadas "artes mágicas" e converteram-se ao Cristianismo. Ela descreve que estes tomaram a atitude de queimar publicamente os seus livros de magia, mas por qual razão? Bem, tal como como a adoração de outros deuses, a prática da magia também era condenada pelas leis divinas. (Levítico 19:26; Deuteronômio 18:9-14) Assim, o motivo que levou os recém-convertidos a queimarem os seus livros de magia era justamente para impedir que outros viessem a consultar estes livros e aprendessem tais artes mágicas que eram enfaticamente condenadas por Deus.

O que se pode concluir?

Nos relatos bíblicos, todos os objetos destruídos estavam diretamente ligados a promoção de adoração falsa ou das "artes mágicas". Ao contrário do que muitas Testemunhas de Jeová pensam e praticam, não existe qualquer base bíblica para se queimar um presente só pelo fato dele ter vindo de uma pessoa que seja espírita ou de outra religião estigmatizada. Fazer isso não é apenas agir de maneira preconceituosa, mas também profundamente desrespeitosa para com a pessoa que sinceramente a presenteou. As Testemunhas de Jeová que têm tomado esta prática vão realmente muito além do que dizem as próprias escrituras que afirmam seguir. — 1 Coríntios 4:6

O título do texto é do site Paulopes.





Ex-Testemunha de Jeová conta como se transformou em ateu

Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...