Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Delator temeu ser alvo de violência por parte de Cunha

Camargo disse ter
 medo da agressividade
do deputado
O lobista Júlio Camargo (foto), delator na Operação Lava Jato, afirmou ao juiz federal Sérgio Moro, de Curitiba, que em seu depoimento anterior à Justiça não falou que tinha sido achacado pelo deputado Eduardo Cunha por dois motivos.

Primeiro porque ele tinha sido orientado por sua advogada de que denuncia envolvendo políticos — que desfrutam de fórum privilegiado — tinha de ser feita somente so STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília. E, segundo, porque ele temeu que a sua família pudesse ser alvo de violência retaliatória por parte de Cunha.

“Todo homem responsável é obrigado a ter medo e receio”, disse ele a Moro.

A denúncia de Camargo de que Cunha pediu propina para cada contrato da Petrobrás colocou o deputado do PMDB do Rio, entre outros, no olho do furação da Operação Lava Jato.

Ao juiz Moro, Camargo disse que Eduardo Cunha é uma pessoa agressiva que “não age direitamente” e que faz ameaça “através de terceiros”. Trata-se, por isso, de pessoa “a quem se deve ter todo o cuidado”.

“Qual é o maior receio? [É com] a família, porque quem age dessa maneira pode perfeitamente agir não contra você, mas contra terceiros.”

Camargo continuou: “O senhor [juiz Moro], que é pai de família, sabe que às vezes machucar um ente querido é muito pior do que machucar a você mesmo”.

O delator disse também que demorou em falar sobre o achaque de Cunha porque a grande influência do deputado poderia prejudicar as suas empresas.

“Estou falando sobre uma pessoa que dizia ter sob o seu comando de 260 deputados. E isso [se confirmou] depois das eleições para líder do Congresso [presidente da Câmara]”, disse o lobista.

Em nota à imprensa, Cunha afirmou que Camargo só contou mentiras e o desafiou a apresentar provas.

Como integrante da bancada parlamentar evangélica, Cunha tem se destacado na defensa dos interesses dos líderes de sua religião e no  policiamento da moral alheia.

Com informação do depoimento de Júlio Camargo à Justiça e foto reproduzida de vídeo do Youtube.





‘O bandido’ Cunha trama virar primeiro-ministro, diz Boff

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...