Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Criacionismo deixa de ser ensinado como ciência em escolas da Escócia

por Cristian Reis Westphal
com informação do Herald Scotland

Inglaterra e País de Gales
 já proíbem que criacionismo
como fato científico
Após muito lutar, o Secular Society Scottish (SSS) conseguiu com que o governo escocês emitisse uma declaração de que o criacionismo não deveria ser ensinado nas aulas de ciências nas escolas do país. A Secular Society Scottish consiste de uma organização da Escócia que promove a separação dos ensinamentos da Igreja no ensino público sobre questões relacionadas com a interface de religião e política.

Em setembro de 2014, o Secular Society Scottish apresentou uma petição no Parlamento Escocês para uma posição explícita a ser tomada sobre o ensino do criacionismo nas escolas.

Enquanto o criacionismo pode ser ensinado na educação religiosa e na moral, o conselheiro científico do Secular Society Scottish Paul Braterman, explicou sobre a posição anterior do Governo escocês não permitir ou proibir o ensino do criacionismo em aulas de ciências das escolas. “Agora, temos finalmente uma declaração do ministro responsável de que o criacionismo não poderá ser ensinado como ciência nas salas de aula”, disse Braterman.

No entanto, no início deste mês, os membros do Parlamento escocês no âmbito da Comissão de Educação e Cultura, emitiram uma declaração dizendo que não havia necessidade de uma legislação sobre o ensino do criacionismo nas escolas, sendo que os professores devem exercer seu julgamento profissional.

Existe um claro conflito de interesses que poderia surgir permitindo que os instrutores ensinem o currículo como bem entenderem, embora as medidas estão em vigor para que os jovens recebam uma educação equilibrada sob o Currículo para a Excelência .

“A educação Escócia não relaciona o criacionismo como um princípio científico, e não faz parte do aprendizado e do ensino de ciências nas nossas escolas”, disse um porta-voz do governo escocês para o site Herald Scotland. “Os professores usam seu julgamento profissional, sua experiência e a compreensão dos seus alunos para responder com sensibilidade à questões complexas e desafiadoras, como os suscitados por diferentes perspectivas.”

O ensino do criacionismo como um fato científico e teoria baseada em evidências é proibido em escolas na Inglaterra e no País de Gales.





Ensino do criacionismo é uma afronta à escola, diz professor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...