Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Capelão da PM de SP é preso por ter embolsado R$ 2 mi do dízimo

PM pediu à Igreja Católica
que o capelão Osvaldo Palópito
seja excomungado
A PM (Polícia Militar) de São Paulo prendeu o seu capelão católico e tenente-coronel Osvaldo Palópito (foto) sob a acusação de ele ao longo dos anos ter ficado com o total de R$ 2 milhões do dízimo dos fiéis. Palópito foi encaminhado para o Presídio Militar Romão Gomes.

O capelão se transferiu para a reserva em janeiro de 2015, quando respondia pela Paróquia de Santo Expedito, na Luz, no centro de São Paulo, onde funcionava a Capelania Militar.

O secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, informou que Palópito está sendo acusado de abandono de serviço e de improbidade administrativa, além de prevaricação e peculato.

”O dinheiro que ele subtraída era da igreja, era o dinheiro dos fieis, era o dízimo", disse Moraes.

Quem pediu a prisão do capelão à Justiça Militar foi o corregedor da PM coronel Levi Anastácio Félix, que em 2014 abriu inquérito para apurar o caso. A Justiça autorizou a quebra do sigilo bancário do suspeito.

A PM vai expulsar Palópito da corporação e pedir à Igreja Católica que o excomungue. A aposentadoria dele vai ser cassada. 

A estimativa da quantia desviada pelo capelão é do jornal “O Estado de S.Paulo”, mas pode superar a esse valor.

O caso fez com que o secretário Moraes e o comandante da PM Ricardo Gambaroni extinguissem no começo do ano o cargo de capelão da Polícia Militar.

O secretário explicou que o cargo se tornou desnecessário em consequência da pluralidade religiosa.

Com informação do “Estado de S.Paulo” e de outras fontes e foto de divulgação.





Pastor-deputado quer criar o cargo de capelão parlamentar


Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...