Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

......................................................................................

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Evangélicos passam a controlar mais um partido, o Pros

Presidido por um evangélico militante, o
Pros é mais um partido ligado à religião
O Pros (Partido da República e Ordem Social), a 31ª legenda política do país, nasceu oficialmente na terça-feira (24) já sob o controle de evangélicos. Seu presidente é o evangélico Eurípedes Júnior, ex-vereador de Planaltina (GO).

Ele anunciou que candidatos da legenda que se elegerem nas próximas eleições deverão reforçar a bancada evangélica. O novo partido apoia o governo da presidente petista Dilma Rousseff.

Como é de se esperar, há evangélicos, católicos e adeptos de outras religiões em todos os partidos. O presidente da Frente Parlamentar Evangélica, João Campos, por exemplo, é do PSDB de Goiás.

Alguns partidos, contudo, chamam a atenção porque a maioria (ou uma parte significativa deles) de seus representantes na Câmara dos Deputados age e toma iniciativa como religiosos que seguem a Bíblia, e não como políticos que deveriam se orientar, antes de tudo, pela Constituição, que determina que o Estado brasileiro é laico.

Um desses partidos é o PSC (Partido Social Cristão), ao qual é filiado o polêmico deputado e pastor Marco Feliciano, que representa no momento o que há de mais retrógrado na política brasileira.

Outro partido com forte influência religiosa é o PRB (Partido Republicano Brasileira), que é tido como o braço político da Igreja Universal.

Um de seus filiados é Marcelo Crivella, pastor licenciado e sobrinho de Edir Macedo, chefe da Universal. Crivella é o atual ministro da Pesca, um ministério inexpressivo que, mesmo assim, tem se prestado a muita politicagem.

Em junho de 2012, a Justiça Eleitoral aprovou o PEN (Partido Ecológico Nacional), que está ligado à Assembleia de Deus, a denominação religiosa com a maior representação política na Câmara. Quando o partido foi lançado, a expectativa de Adilson Barroso, seu presidente, era de que a sigla atraísse deputados do PSC.

Até agora, pelo menos um nome famoso já manifestou intenção de se filiar ao Pros. É o ex-jogador e evangélico Marcelino Carioca. Ele pretende concorrer a deputado estadual por São Paulo nas próximas eleições.

A exemplo de pelo menos outro novo partido, o Solidariedade, o Pros está usando o Fundo Partidário para atrair lideranças estaduais que já tenham mandato na Câmara. Esses dois partidos vão receber por ano do fundo cerca de R$ 30 milhões.

De acordo com a Folha de S.Paulo, os dois partidos estão dispostos a fazer um generoso rateio desse dinheiro a deputados que assumirem a liderança partidária em Estados importantes. Cada voto desses deputados é uma moeda de troca com valor entre R$ 3 e R$ 3,80 Ou seja, quem tiver mais votos será agraciado com uma maior parcela do Fundo Partidário.

Cerca de 20 parlamentares estariam pretendendo se filiar ao Pros. A maioria deles é do “baixo clero” (inexpressivos), que espera agora, na nova legenda, obter alguma visibilidade.

Com informação das agências e deste site.





Fanatismo evangélico ameaça a democracia, afirma reverendo
setembro de 2013

Religião na política


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...