Líder religioso ‘imortal’ morre de cirrose hepática

 José Luis de Jesus Miranda
O avanço da 
doença emagreceu
o "eterno"
O portorrinquenho e “imortal” José Luis de Jesus Miranda (foto), 67, líder da Igreja Crescendo em Graça,  morreu no dia 13 de agosto de cirrose hepática.

Ele era alcoólatra havia anos, e as suas condições de saúde pioraram nos últimos meses. Ele não escondia dos fiéis que bebia uísque e fumava charuto. Ele falava que Jesus de Nazaré não bebia uísque porque naquela época não existia essa bebida.

Em dezembro de 2007, a polícia do condado de Miami-Dade, da Flórida, o prendeu por estar dirigindo embriagado. Foi multado em US$ 1.495. A prisão não abalou a devoção de seus seguidores.

Morreu em um hospital do Texas, Estados Unidos. Miranda se dizia ser a reencarnação de Jesus.

No começo de 2012, Miranda informou que o mundo ia se acabar em 30 de junho daquele ano e que ele se tornaria imortal. O mundo não se acabou, como se sabe, mas isso não impediu de Miranda anunciar que tinha se tornado imortal.

Na época, Miranda começou a emagrecer e a vomitar sangue por causa do agravamento da cirrose e o que ele dizia é que essa transformação fazia parte do processo de sua imortalidade.

A sede da Crescendo em Graça fica em Miami. A igreja tem templos em 35 países, incluindo o Brasil, nos Estados da Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas, entre outros. Transmite programas para 287 emissoras de rádio em vários países e possui um canal de TV em língua espanhola.

Com informação das agências.





Mundo acabou hoje, de acordo com pastor que afirma ser Jesus
junho de 2012