Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Colégio La Salle é acusado de perseguir os não cristãos

Giovanni Biazzetto
Professor Biazzetto disse que foi demitido
por se recusar a fazer proselitismo religioso
Professores estão acusando a nova direção do colégio particular La Salle Pão dos Pobres, em Porto Alegre (RS), de impor proselitismo religioso em matérias como história e da prática de perseguição religiosa.

A professora Gabriela Bercht, de filosofia, afirmou que o irmão Jardelino Menegat, presidente da mantenedora do colégio, falou em um discurso que “quem não é cristão não serve para a nossa instituição”.

Bercht pediu demissão do colégio depois que o professor Giovanni Biazzetto (foto), de história, foi demitido por, segundo ele, se negar a fazer proselitismo religioso em suas aulas.

Biazzeto, que era professor no La Salle havia quase cinco anos, disse que a perseguição começou em janeiro, quando o irmão Olir Facchinello assumiu a direção do colégio.

Ele afirmou que, para um professor que não tem crença católica, é coerção ter de escutar o diretor dizer: “Todos vocês têm de falar sobre os dons do Espírito Santo em sala de aula”.

O professor argumentou que, até então, não tinha sofrido nenhuma pressão de cunho religioso da direção do colégio. “Minhas aulas sempre foram estruturadas no debate, na leitura e na escrita.”

A direção do colégio se negou a comentar as acusações de que pratica esse tipo de intolerância. Apenas emitiu nota com a afirmação vaga de que Biazzeto foi demitido por “uma questão ténico-pedagógica”.

Alunos e pais protestaram contra a demissão de Biazetto.

Uma mãe disse ao portal G1 que o novo diretor do colégio ameaçou cancelar as bolsas de estudos (integrais e parciais) de alunos que aderiram ao protesto.

O colégio, por ser  confessional, pode ter, como tem, um posicionamento religioso, mas não de modo que possa impor aos alunos uma crença em matérias obrigatórias, como filosofia, história e matemática.

Além disso, de acordo com a LDB (Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional), do Ministério da Educação, os estabelecimentos de educação têm de respeitar a diversidade de crença dos estudantes, o que inclui os ateus.

Roseli Fischmann, coordenadora do programa de pós-graduação em educação da Universidade de São Paulo, disse que mesmo as escolas confessionais são obrigadas a ensinar, por exemplo, o evolucionismo de Darwin e outros temas obrigatórios.

“Os professores não podem ser obrigados a ensinar algo que não está correto do ponto de vista pedagógico e da legislação ou que vá ferir a consciência deles enquanto profissionais". disse.





Com informação do Portal Terra, entre outras fontes.

Evangélicos pentecostais estão mais intolerantes, diz ministra
janeiro de 2013

Intolerância religiosa no Brasil

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...