Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

......................................................................................

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Jornalista defende liberdade de expressão de clérigo e skinhead

Título original: Uma questão de hombridade

por Hélio Schwartsman para Folha

"Oponho-me a qualquer tentativa de
criminalizar discursos homofóbicos" 
Disputas eleitorais parecem roubar a hombridade dos candidatos. Se Fernando Haddad e José Serra fossem um pouco mais destemidos e não tivessem transformado a busca por munição contra o adversário em prioridade absoluta de suas campanhas, estariam ambos defendendo a necessidade do kit anti-homofobia, como aliás fizeram quando estavam longe dos holofotes sufragísticos, desempenhando funções executivas.

Não é preciso ter o dom de ler pensamentos para concluir que, nessa matéria, ambos os candidatos e seus respectivos partidos têm posições muito mais próximas um do outro do que da do pastor Silas Malafaia ou qualquer outra liderança religiosa.

Não digo isso por ter aderido à onda do politicamente correto. Oponho-me a qualquer tentativa de criminalizar discursos homofóbicos. Acredito que clérigos e skinheads devem ser livres para dizer o que pensam a quem esteja interessado em ouvi-los. Se não gostam de homossexuais, julgam sua conduta pecaminosa ou mesmo escandalosa, não devem ser impedidos de manifestar essas ideias. Mas, se o Estado democrático é obrigado a respeitar e salvaguardar a liberdade de expressão, isso não significa que ele deva aceitar passivamente qualquer coisa.

O poder público não só pode como deve promover valores republicanos, e um bom lugar para fazê-lo é a escola. Assim como se deseja que professores guiem os alunos pelos fundamentos da álgebra, espera-se que ensinem também as bases do Código Penal, que proíbe agressões, e os rudimentos da civilização, segundo os quais as preferências sexuais de uma pessoa não afetam sua cidadania nem lhe subtraem direitos.

Se há grupos que não gostam desse discurso, podem contestá-lo com palavras. Pelo menos em teoria, jovens, à medida que crescem, vão se tornando mais capazes de comparar argumentos e tirar suas próprias conclusões. É a democracia em ação.

Católicos vão à polícia contra humor de jovens de Joaçaba.
outubro de 2012

Religião contra liberdade de expressão.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...