Nos EUA, ateu denuncia restaurante que dá desconto só a religiosos

Anúncio diz que o desconto é válido
quem comprovar ter ido à igrej
a
Em Lancaster County, Pensilvânia (EUA), John Wolff, 80, denunciou o restaurante Prudhomme’s Lost Cajun Kitchen à Comissão de Relações Humanas do Estado por oferecer aos domingos desconto de 10% somente a quem provar que foi ao culto. 

Wolff explicou que a sua denúncia não é tanto pelo desconto em si — ele, afinal, nem frequenta o restaurante —, porque ela se refere mais a um contexto de atitudes discriminatórias da direita religiosa. “A minha intenção é fazer as pessoas refletirem sobre isso”, disse.

Sharon Prudhomme
Sharon mostra as cartas de entidades
que a acusam de intolerância religiosa

Sharon Prudhomme (foto), sócia do restaurante especializado em carne de jacaré e em lagosta, disse que decidiu realizar a promoção para atrair os fregueses que aparecem durante a semana mas não aos domingos. Entre eles, disse, há muitos cristãos devotos.

No entendimento de Wolff, trata-se, na verdade, de um preconceito contra os descrentes, porque o restaurante poderia recorrer a outros tipos de promoção, dando desconto aos idosos, por exemplo.

Sharon afirmou estar sendo pressionada por entidades ateístas por intermédio de cartas, o que ela lamenta porque, acrescentou, tem coisa mais importante para fazer.

A denúncia de Wolff tem causado polêmica. A Constituição dos Estados Unidos preconiza a separação entre Estado e Igreja, o que não se aplica a um empreendimento privado, que é o caso do restaurante Prudhomme.

Wolff é de origem judaica-alemã. Dos 10 aos 16 anos, foi católico praticante. Ele se tornou ateu há 15 anos, e desde então, admitiu, tem ficado “muito irritado” com a direita religiosa.

Ele afirmou que, independentemente da laicidade do Estado, o que o moveu contra a atitude discriminatória do restaurante foi defender a tolerância, em um exemplo que espera que seja seguido.

A Comissão de Relações Humanas ainda não se manifestou.

Com informação do Lancaster Online, entre outras fontes.

Pastor dos EUA dá recado aos ateus: 'Este país é cristão; saiam daqui!'
junho de 2012

Intolerância religiosa.

Comentários

  1. Conforme já repercuti no meu blog ontem essa notícia do super lido Lancaster online, mesmo sem estar incluído nas suas "outras fontes", ninguém precisa "assistir" um culto para pegar um boletim, basta passar na porta da igreja ou sinagoga e pegar um grátis sem nem precisar sair correndo. Além disso, a matéria não diz que ela "poderia recorrer a outros tipos de promoções", mas de fato já faz isso rotineiramente para vários grupos sociais. E só um ateu apareceu para arranjar encrenca com quem só tá querendo sobreviver e pra isso precisa movimentar o seu pequeno negócio.

    http://ocontornodasombra.blogspot.com.br/2012/07/ateu-mala-briga-por-desconto-em-comida.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hélio, fui ler o seu blog e parei já no título: "Ateu mala briga por desconto em comida."

      Você é mais um intolerante porque, como o Paulopes deixa claro logo no começo, o ateu não "brigou" por comida, mas contra uma discriminação.

      Trata-se da defesa de princípio, meu caro. E nesse sentido o ateu é, sim, uma "mala", mas com conteúdo, e não vazia, que é o seu caso.

      Excluir
    2. Hélio.

      Postei um comentário lá no seu blog.

      Excluir
    3. Olhe só!
      O tal Hélio mostra q não entende as coisas. Não é o desconto, mas a proposta de desconto.
      Imagine se um artista falasse: "Estou dando de graça um box promocional de 5 álbuns meus e 3 dvds de shows meus ao vivo, mas p/ ganhar tem q transar comigo"??? É ético???
      Me lembrou da proposta (vista no Paulopes) da igreja q só convidou brancos.........¬¬

      Excluir
  2. Acho que é burrice do cara que se afetou. Eu posso muito bem dar desconto no meu bar a pessoas que comprovem doações ao greenpeace, ou alguma fundação Ateia.
    Qualquer tipo de radicalismo, seja ele religioso ou não, é idiota!

    ResponderExcluir
  3. E qual é o problema afinal ? Ela dá descontopara quem ela quiser da forma que quiser e quando quiser porque o estabelecimento é dela. Não há discriminação alguma em querer dar preferencia a um grupo de pessoas em detrimento de outras.

    ResponderExcluir
  4. O problema e que esse estabelecimento da uma preferencia nitida ao certo tipo de cliente.. Isso fica claro no desconto.. Por que nao criou outros tipos de promoçao incluindo outros tipos de credo... Esse estabelecimento so afomenta que religiosos pode ser melhor que qualquer outra pessoa.. Isso e lamentavel....

    ResponderExcluir
  5. Então o desconto para estudante é ilegal? E o assento preferencial para idosos, deficientes e grávidas é ilegal? A pessoa sem DEUS no coração é tão vazio que fica procurando problemas onde não tem. Bem que essa ateia poderia procurar uma lavagem de roupa, povinho desocupado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido.. Idoso e gravida ja nao e uma questao preferencial e sim de etica.. Que comaparaçao esdruxula.. Imagina so eu chegar num restaurante que so promove desconte para aqueles que sao de raça branca e eu sendo um mestiço nao terei os prazeres de poder usufruir so por causa da minha etnia.. Querido religiao e uma opçao e como tal nao deve ser tratado como preferencial...

      Excluir
  6. Ainda bem que descobriram isto! Vou agora reclamar em toda churrascaria rodízio aqui na cidade que cobra 10 reais a menos para mulheres do que para homens!! kkkkk
    Acho que o senhor Wolff exagerou demais no xororô dele... E muitos outros também... Afinal de contas a lógica do restaurante é muito simples, qualquer um pode chegar à mesma conclusão:

    Domingo é dia de culto religioso na maioria das igrejas cristãs. Culto religioso reúne várias pessoas. Estas várias pessoas geralmente saem de seus cultos com fome... Sabendo de um desconto destes, por que não ir ao tal restaurante? Aqui não tem nada de discriminação. Ninguém fez a promoção por que religioso é melhor que ateu. A promoção existe apenas por questões comerciais.

    Por que não fazer a promoção para ateus? Ora, ateus se reúnem em algum lugar para alguma espécie de culto, sei lá? Eles saem destas reuniões com fome? Se alguém puder demonstrar que isto dá tanto retorno financeiro para um restaurante, é uma boa proposta a se fazer...

    O problema das pessoas hoje em dia é que elas não sabem o que significa discriminação.

    ResponderExcluir
  7. Creio que não é uma questão de discriminação. Penso que é como um incentivo para que as pessoas frequente a igreja. O Pastor Silas Malafaia pagará todo o curso universitário para o primeiro membro de sua igreja quer passar para a Universidade de Harvard nos USA.
    Deveria eu como cristão e não membro de sua Igreja exigir tal direito? Creio que é um incentivo para que os jovens estudem e vão para a Igreja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, porque discriminação é visto como algo justificável e normal para boçais hipócritas como você.

      Excluir
    2. o hipócrita aqui é voce se o cara é o dono do restaurante ele da desconto pra quem ele quer. igual na sua casa voce só deixa entra quem voce quer não é.

      Excluir
  8. Ele reclama de boates que deixam a mulherada entrar de graça, mas cobram dos homens?

    ResponderExcluir
  9. Sou ateu, mas isso aí ja é mimimi....
    O restaurante é dela, ela que define quem quer como clientes, ora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, achei uma frescura essa do cara. Mas pela matéria acho que não dá pra afirmar que ela está escolhendo os clientes. Até porque não há nada dizendo que ela barrou alguém.

      Excluir
  10. Imaginem se um restaurante desse desconto só para brancos? Ou só para heterossexuais? Dar preferência para um grupo social é discriminação sim, principalmente se esse grupo é uma minoria étnica, religiosa etc. Ela poderia simplesmente oferecer o desconto a todos que fossem ao restaurante aos domingos, daria até mais retorno financeiro.

    ResponderExcluir
  11. _Concordo com a opinião do anônimo das 21:28.

    ResponderExcluir
  12. Esse John Wolff tá de mimimimi... é só ele pegar o bulletin em qualquer igreja e ir ao restaurante pra ganhar o disconto.

    Além do que... "Prudhomme said she began offering the discount a little more than a year ago. She said she has offered all kinds of discounts or incentives at various times, including some to senior citizens, early-bird diners, children under 12, people who shop at certain other Columbia businesses and even Columbia High School students." ou seja havia outras promoções.

    A dona do restaurante deveria colocar uma promoção especifica para ateus agora, só pra zoar o chorão...

    E eu sou ateu, antes que comecem a reclamar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ateu o escambau! Cadê o bulletin comprovando seu ateísmo? E não venha com mimimi... sem bulletin você não passa de um crente agindo de má-fé e fim de papo.

      #prontofalei

      Excluir
    2. só porque o cara tem mente aberta ele não é ateu só porque ele não defendeu seus valores ele nao é ateu a mascara caíu não é anonimo.

      Excluir
  13. Existe uma lei americana que diz que estabelecimentos comerciais não podem discriminar pessoas com base em religião, raça, etc. Não estão usando a Primeira Emenda.

    ResponderExcluir
  14. Na minha (humilde) opinião, por se tratar de uma entidade PRIVADA, não acho que seja descriminação oferecer descontos para os frequentadores da missa.

    No meu ponto de vista, existe uma lógica comercial aí. A dona do restaurante está de olho nas dezenas de cristãos que vão à missa ao domingo e saem de lá com fome, portanto o desconto seria uma forma de atraí-los para seu estabelecimento e aumentar os lucros.

    Se houvesse uma faculdade próxima ao estabelecimento, ela poderia oferecer descontos apenas aos alunos que comprovarem estar devidamente matriculados. Isso também seria descriminação contra as pessoas que não são alunos? Eu acho que não.

    Acho que as vezes as pessoas confundem laicidade de Estado com a laicidade privada. Um cara pode abrir um restaurante árabe e dar descontos de 50% a todos os muçulmanos que comprovarem ter peregrinado à Meca, realizando assim o último dos "cinco pilares do Islão".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo.
      Ainda mais nos EUA que, pra mim, o ponto forte é a defesa da propriedade privada.
      Sou ateu, mas defendo até o fim a livre gerência duma propriedade privada.Pode ser imoral, mas não é ilegal (lá).O melhor que esse cara faz é ir a outro restaurante, e nunca mais dar um centavo pra essa mulher.Não precisa dar chilique.

      Seria ridículo (e crime)se fosse uma política do Estado.

      Aliás, estava lembrando: no Brasil, estudante paga meia-entrada em cinemas e teatros. E quem foi que disse que só os estudantes são pobres?
      E, ainda mais, quem disse que TODO estudante é pobre?!Filho de ricaço também paga meia...
      É discriminação baixa e, pior, bancada pelo Estado brasileiro...Pior ainda:quebra os estabelecimentos, que jogam o preço do espetáculo lá em cima, pra compensar!Quem paga a conta?Eu e todo mundo que não tem uma carteirinha da mamata.

      Excluir
  15. Nonsense.

    Sou ateu e esse sujeito equivocou-se. O restaurante é um estabelecimento privado. A dona dele pode fornecer descontos para quem ela quiser conforme o critério que ela quiser. Assim como, frequenta quem quiser.

    O que não poderia ocorrer seria ela barrar a entrada e se recusar a servir pessoas de um ou outro grupo.

    Mimimi.

    ResponderExcluir
  16. ou seja essa mulher não passa de uma oportunista,tudo para aparecer,aí vai ter um que vai dizer não é bem assim.

    ResponderExcluir
  17. Fico feliz de ver que muitos leitores ateus perceberam que o sujeito se equivocou totalmente. Isso mostra que:
    1) Que os blog tem muitos leitores que entendem o que REALMENTE o que significa estado laico, discriminação e preconceito.
    2) Que o blog tem leitores ateus ajuizados. Não é um daqueles blogs que simplesmente tem neo-ateus esculhambando tudo... (embora de vez em quando aparecem algumas figuras assim neste blog)

    ResponderExcluir
  18. sou ateu, mas questiono, qual o problema do dono do restaurante querer dar desconto para frequentadores de sua igreja? É um estabelecimento privado, o Estado deve se preocupar com casos realmente importantes, não birrinha de evangélicos e ateus pra ver quem tem o p*u maior.

    ResponderExcluir

Postar um comentário