Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Papéis do Mensalão do DEM estavam escondidos em igreja evangélica

do portal Terra

Júnior Brunelli (à direita),
autor da "oração da propina"
A Polícia Civil do Distrito Federal realizou, na manhã desta segunda-feira, mandados de busca e apreensão na Igreja Tabernáculo do Evangelho de Jesus, no Recanto das Almas. A ação é uma continuidade da Operação Hufini, que resultou na prisão do ex-deputado distrital Júnior Brunelli (foto), que ficou conhecido pelo escândalo do Mensalão do DEM e da "oração da propina".

Os agentes da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado apreenderam documentos e computadores escondidos na igreja, após o recebimento de denúncias anônimas. Além da prisão de Brunelli, a primeira parte da operação também prendeu Carlos Antônio Martins Carneiro, o pastor Adilson Wlaufredir de Oliveira e o empresário Sapartacus Issa Savite.

O chamado mensalão do DEM, cujos vídeos foram divulgados no final de 2009, é resultado das investigações da operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. O esquema de desvio de recursos públicos envolvia empresas de tecnologia para o pagamento de propina a deputados da base aliada.

O então governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) aparece em um dos vídeos recebendo maços de dinheiro. As imagens foram gravadas pelo ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, que, na condição de réu em 37 processos, denunciou o esquema por conta da delação premiada. Em sua defesa, Arruda afirmou que os recursos recebidos durante a campanha foram "regularmente registrados e contabilizados". Em meio ao escândalo, ele deixou o Democratas.

As investigações da Operação Caixa de Pandora apontam indícios de que Arruda, assessores, deputados e empresários podem ter cometido os crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva e ativa, fraude em licitação, crime eleitoral e crime tributário.

Acusado de tentar subornar o jornalista Edmilson Edson dos Santos, o Sombra, testemunha do caso, Arruda foi preso preventivamente em fevereiro de 2010, por determinação do Superior Tribunal de Justiça, que ainda o afastou do cargo de governador. Ele ficou preso por dois meses e, neste período, teve o mandato cassado por desfiliação partidária.

O caso aguarda denúncia do Ministério Público Federal e tramita no STJ.

Maioria dos deputados evangélicos responde a processos judiciais.
abril de 2012

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...