Justiça mantém as fotos da campanha anticigarro

O Sinditabaco-RS (Sindicato da Indústria do Fumo no Estado do Rio Grande do Sul) acha que as novas imagens de advertência impressas nos maços de cigarro e peças publicitárias desinformam a população.

Para o sindicato, as fotos – nas quais aparecem pessoas vítimas de doenças provocadas pelo tabaco – são fortes demais e que, veja se dá para acreditar, elas não têm nenhuma “relação causal com os riscos associados ao tabaco”.

O que o sindicato não diz, como se ninguém soubesse, como se todos fossem idiotas (alguns até são), é que o setor teme que as fotos levem muitos fumantes a deixar o vício, a parar de comprar o cigarro.

O Sinditabaco pediu liminar para que os fabricantes de cigarros possam usar as fotos menos chocantes, as que até há pouco tempo vinham sendo veiculadas pela campanha antitabaco.

Mas a 2ª Vara Federal de Porto Alegre não concedeu a liminar. Continuam valendo as fotos selecionadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

No pedido da liminar, o sindicato afirma que as fotos provocam um “profundo horror” nas pessoas.
Ora, o objetivo é esse mesmo.

> Setor de tabaco já usou bebê e Papai Noel em propaganda.

Mais sobre cigarro.

Postar um comentário